Paróquia

Santa Rosa de Lima

Notícias › 13/09/2019

Papa Francisco encontra Capitulares Agostinianos

cq5dam-thumbnail-cropped-750-422-1

O Santo Padre recebeu, na manhã desta sexta-feira (13/9), na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 150 participantes no Capítulo Geral da Ordem de Santo Agostinho.

O Capítulo dos Agostinianos, de número 186, teve início em Roma, no dia 1° de setembro, e contou com a participação de 80 Padres Capitulares, provenientes de 52 países.

Em seu discurso aos presentes, Francisco referiu-se ao tema debatido nestes dias sobre “os desafios mais importantes do momento, à luz da Palavra de Deus, no magistério da Igreja e do grande Padre Agostinho:

“Vocês estão bem cientes de que as comunidades de consagrados são lugares onde se vive a experiência de Deus, a partir de uma profunda interioridade e comunhão com os irmãos”.

Eis aqui, disse o Papa, o primeiro desafio essencial, que interpela os consagrados, e que hoje lhes compete: “fazer juntos a experiência de Deus”. Desta forma, os Agostinianos poderão transmitir Deus ao mundo, de modo claro e corajoso, sem resistências ou hesitações.

Diante desta grande responsabilidade, afirmou Francisco, os Agostinianos são chamados a dar testemunho da caridade calorosa, viva, visível e contagiosa da Igreja, mediante a vida comunitária, que manifesta, claramente, a presença do Ressuscitado e do seu Espírito. Partindo das Constituições da Ordem o Papa recordou:

“A unidade na caridade é um ponto central da experiência e da espiritualidade de Santo Agostinho e um fundamento de toda a vida agostiniana… Recordo aquele sublime encontro espiritual que Santo Agostinho e sua mãe Santa Mônica” viveram juntos: um momento em que as suas almas se fundiram na intuição da Sabedoria divina”.

Mas, acrescentou Francisco, tais experiências não são as mais frequentes, nem as mais importantes: “A vida comunitária é composta de pequenos gestos diários de amor”. Manter viva a chama da caridade fraterna só será possível com o olhar sempre dirigido a Deus, na busca constante de Deus Amor. Aqui, o Papa citou novamente a Regra de Santo Agostinho:

“As suas Constituições chamam esta caridade fraterna ‘sinal profético’ e é sensata a sua advertência quando dizem: ‘Não poderemos fazer tudo isso se não carregarmos a nossa Cruz todos os dias, por amor a Cristo, com humildade e mansidão’”.

O Santo Padre concluiu seu discurso recordando, novamente, o desafio e a responsabilidade dos Agostinianos, em nossos dias: “Viver em suas comunidades a experiência de Deus, manifestando-O vivo ao mundo!”

Via Vatican News

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *